Nova Iorque cadastra árvores e calcula seus benefícios econômicos em mapa interativo

Os espaços públicos, praças e parques de Nova Iorque são administrados pelo Departamento de Parques e Recreação – também conhecido como NYC Parks. Nos anos recentes, a secretaria foi responsável por criar novos programas para auxiliar crianças,  jovens e adultos a tomarem consciência da importância do cuidado com a paisagem urbana.

Um desses programas é a TreesCount!, o qual reuniu dois mil e trezentos voluntários no ano de 2015 para aprender mais sobre as árvores do ambiente, seu estado, necessidades e medidas, e como elas são responsáveis por beneficiar a comunidade ao redor, entre outros pontos.  Por vários meses, o grupo atravessou as ruas de cinco bairros na companhia de monitores, responsáveis por treinar a equipe para reconhecer as árvores estudadas e suas respectivas características.A informação agregada ao longo dessas caminhadas foi reunida e compilada em um registro público do arvoredo urbano, que está disponível no New York City Tree Map. Esse mapa permite avaliar as estatísticas de cada uma das 685,781 árvores registradas, além de oferecer um calendário de atividades relativas à preservação das àrvores e pesquisas interessantes, como a busca por árvores mais comuns na sua região.

árvores-canhotices
via NYC Parks

Com relação aos dados disponíveis para cada árvore, nenhum detalhe foi deixado de fora, uma vez que cada uma recebeu um número de identificação único, assim como uma cor para diferenciar a espécie. Além disso, o mapa disponibiliza a localização exata e a imagem correspondente no Google Street View, junto com a possibilidade de reportar quaisquer problemas. A última parte é ainda mais legal: um resumo dos benefícios ecológicos de cada árvore traduzidos em valor econômico (para quem só entende a língua do cifrão).

Ao escolher uma árvore no mapa, o usuário pode ver a quantidade de água da chuva que ela retém por ano e a soma em dinheiro que cada espécie consegue poupar ao longo do ano. A quantidade de eletricidade conservada também é estimada, com um cálculo em kilowatts por hora, assim como a redução da poluição do ar.

Todos esses indicadores são formulados de acordo com estimativas da US. Forest Service, que formula o total de benefícios ecológicos que uma árvore arrecada em dólares. No exemplo aí embaixo, a árvore da imagem é responsável por uma quantia de aproximadamente quinhentos dólares ao ano em benefícios para a comunidade.

árvores-canhotices

O mais interessante dessa iniciativa é que ela não é apenas uma legalzice – é perfeitamente aplicável em qualquer lugar, além de ser um belo exemplo de como o trabalho de mineração de dados/analítico pode auxiliar as causas “de humanas”, como o ambientalismo. E para falar a língua dos negócios, os caras conseguiram calcular até o retorno sobre investimento das árvores! Resultado fantástico, sem dúvidas.

Quem quiser brincar mais no mapa, pode acessar diretamente aqui.

 Via ArchDaily
Continue Reading

Paris sanciona lei que permite aos moradores plantar jardins urbanos em toda a cidade

Com seus jardins, varandas cobertas de plantas e floristas em cada bairro, Paris é uma cidade bem florida, e está prestes a ficar ainda mais verde.

Graças a uma iniciativa recente, os moradores da cidade foram liberados  – e são  até encorajados – a plantar e manter seus próprios jardins urbanos. A proposta apareceu dentro do plano do prefeito Hidalgo para introduzir 100 hectares de espaço verde na cidade até o ano de 2020. Os moradores interessados receberão sua permissão renovável de três anos, que os habilita a plantar qualquer espécie de frutas e vegetais, além de flores e plantas.

Enquanto típicos canteiros de flores e plantas tradicionais de vaso são totalmente aceitos, a proposta incentiva as pessoas a serem criativas: paredes vivas e jardins no telhado são algumas das sugestões diferentes oferecidas pela cidade. As possibilidades são infinitas, mas existem algumas regrinhas para o projeto: a flora deve ser cultivada utilizando métodos sustentáveis (ou seja, sem pesticidas) e planejada com o objetivo de melhorar a estética da cidade.

Com um interesse claro em promover tanto uma cidade mais verde quanto uma comunidade mais forte e unida, a iniciativa é uma super campanha de base.

 

Nas fotos, vocês podem ver alguns dos belos jardins da cidade

 

 

Tem para todos os gostos, não é mesmo?

 

 

Via My Modern Metropolis

Continue Reading

Cineasta transforma van em um estúdio móvel para trabalhar de qualquer lugar

Muitas pessoas dificilmente investiriam em uma van caindo aos pedaços, mas o cineasta Zach Both viu ali uma grande oportunidade para exercitar a criatividade. Ao longo de um ano inteiro, ele transformou um modelo de Chevy em um estúdio móvel, que oferece liberdade suficiente para viver e trabalhar em qualquer lugar dos Estados Unidos. Detalhe: Zach não tem quase nenhum conhecimento em carpintaria ou mecânica.

Depois de comprar a van em um anúncio do Craigslist, Both e seu pai aspiraram e limparam todas as superfícies, o que incluiu a remoção de ferrugem do piso e das laterais. O interior foi pintado e envelopado, e depois recebeu uma aplicação customizada de madeira no interior. Além disso, dupla cortou um buraco no teto para adicionar uma camada extra de luz, e também melhorar o fluxo do ar.

 

O interior foi completamente renovado, e agora é elegante e contemporâneo. Both se inspirou na arquitetura moderna e acrescentou madeira recuperada como um elemento decorativo no teto, nas paredes e nos pequenos armários de cozinha construídos dentro do espaço.

A pequena casa ainda tem uma cama de futon, pia, refrigerador e um fogão. E claro,  todas as conveniências modernas estão à disposição do artista: sinal de Wi-Fi móvel e um sistema de home theater. Toda a eletricidade é provida via gerador solar! Demais, não é?

 

 

O legal é que depois de completar a van, Zach lançou um site para ajudar outras pessoas a fazerem o mesmo. O nome é The Vanual, e a página apresenta um passo a passo super detalhado para  converter veículos de carga em casas móveis.  O site também é um guia de estilo de vida, que oferece dicas e truques para quem deseja viver na estrada e aprender a trabalhar como um nômade digital.

 

Algumas fotos dos bastidores da van ao longo da transformação incrível:

 

O cineasta afirma: “Com essa van tenho liberdade completa para escrever um roteiro cercado pelas montanhas, dirigir uma tomada em um deserto super remoto e também colaborar com um editor em Los Angeles. Tudo no mesmo mês. Isso seria impossível de outra forma”.

Zach Both: Website | Instagram

Continue Reading

Espaço de coworking traz a atmosfera da natureza para dentro do escritório

Não é a primeira vez que eu falo de coworkings aqui – até porque eles não param de crescer, especialmente nas grandes metrópoles. O escritório de arquitetura chinês Vermillion Zhou  desenvolveu um novo conceito para o ambiente de trabalho, com um diferencial super interessante: ele reproduz a atmosfera natural, crando um ambiente cheio de frescor e muita paz. O espaço se chama Fountown, e o tema é inspirado nas propriedades agrícolas. A luz natural é maximizada com um foco pesado em materiais feitos de madeira e vidro, como dá para ver nas imagens.

Reparem na iluminação excelente do espaço!

escritório-canhotices

Tudo é lindo e super minimalista

 

escritorio-natureza-canhotices2

 

Luz solar, ar, água e oxigênio foram elementos levados em consideração no processo de criação da Fountown, a fim de projetar um escritório que parecesse o mais natural possível. Espelhos estão espalhados ao longo do ambiente para refletir os raios de luz e maximizar a iluminação natural dentro do edifício.

O espaço também inclui células de oxigênio distribuídas ao longo de diversas áreas para que os colaboradores possam descansar em um ambiente cheio de O2. Em um esforço extra para engajar a galera, alguns brinquedos e até uma sala de Yoga com trilha de pedras foram incluídos. Tudo isso faz parte do caminho que leva até as salas de reuniões.

 

escritorio-natureza-canhotices

 

Mais do que um projeto legal, a Fountown pode simbolizar uma mudança de paradigma nos ambientes profissionais. O normal por aí são as mesas de ping pong, sofás largos e paredes coloridas – à la Google, mas uma ideia como essa nos leva para um espaço mais sutil, que conecta as pessoas à natureza e trabalha com a consciência ambiental.

No geral, trata-se de uma redução do excesso para enfatizar a simplicidade. Tudo isso faz com que projetos como a Fountown preencham e adicionem uma dimensão nova para a cultura em geral, mudando o paradigma do escritório “cool” que reina nos dias atuais. O resultado é bem impactante!

Via PSFK

Continue Reading

Pavilhão público coberto de plantas estimula as pessoas a interagir com ambiente

Os especialistas em vida urbana da Space 10, juntamente com os arquitetos Mads-Ulrik Husum e Sine Lindholm, trabalharam em conjunto para criar “The Growroom” (ou, em tradução livre, a sala do crescimento”. Trata-se de um pavilhão preenchido com plantas, ervas e vegetais criados especialmente para prosperar em ambientes urbanos. Muitos deles são próprios para consumo alimentício também.

Dividido em seções ao redor de um centro aberto e de um banco, o pavilhão esférico multi sensorial estimula as pessoas e entraram e experimentar a unicidade do projeto arquietônico. Além disso, é uma maneira engajada e divertida de interagir com a produção de vegetais (e muitas vezes, da nossa comida) de uma maneira até então desconhecida.

Extra: reparem nas luzinhas coloridas dentro da esfera. Muito amor, né?

 

2

Parece um jardim de inverno interativo

3
5

Detalhe para as diversas espécies plantadas

6

Olha que ambiente legal para bater um papo!

7

pavilhao-canhotices

pavilhão-canhotices

Mais informações em: Space10, Mads-Ulrik Husum, Sine Lindholm (h/t: contemporist)

Via Design You Trust

Continue Reading